Seleção qualificada para atendimento ao cliente

Hoje vim a São Paulo para feira do empreendedor, vim a uma padaria fazer um lanche e vi que o atendimento e muito bem feito, com funcionários animados e satisfeitos.

Ai entendi que não adianta realizar treinamento em funcionários que não querem ser treinados, então percebo que o problema não está no funcionário contratado e sim na seleção para a vaga, vejo que as empresas de seleção poderiam realizar uma seleção levanto em conta outros aspectos que não sejam especificamente o currículo.

Não pretendo abrir uma empresa nessa área mas vejo a grande carência de selecionar pessoas que gostem do que fazem.

Gostaria muito de ver o que vocês acham disso.

Empreendedor Lançado on Fevereiro 20, 2016 por Ideia.
Comentar
5 Respostas

    Olá Felipe.
    A prática de selecionar pessoas utilizando outros critérios além do currículo já é aplicada em muitos lugares, e acho de extrema valia. Afinal, avaliar as características comportamentais de quem se está contratando pode evitar muitos problemas e trazer excelentes benefícios para o empregador.
    Além disso, existem dois pontos de vista, pois o funcionário poderia querer ser treinado no início da carreira e por falta de incentivo da empresa no decorrer do trabalho entrou em desânimo. E muitas pessoas chegam nesse estágio sem tomar atitude por seus próprios problemas, como “pagar as contas”, por exemplo. Como também existem muitas empresas que não sabem como reter e manter o funcionário animado, como fazer um bom plano de carreira, ou devolver feedbacks construtivos.

    Esse assunto envolve muitas variáveis.

    Abraços,
    Rubia

    Empreendedor Jr Respondido on Fevereiro 21, 2016

    Gostei muito da sua ideia explicação, pois como uma empresa de pequeno porte com no máximo 10 funcionários por exemplo teria um plano de carreira? Isso e possível?

    on Fevereiro 21, 2016.

    Felipe,
    Acredito que cada tipo de empresa pode ter sua própria maneira de lidar com a situação. Uma empresa de pequeno porte pode ter outras estratégias para retenção e motivação dos funcionários. Como, por exemplo, feedbacks constantes, utilizar cadeias de reforçamento para manter o funcionário engajado com o trabalho, etc. Um plano de carreira dependeria muito da empresa e qual a sua finalidade no mercado. Como eu disse, existem muitas variáveis envolvidas, pois ao falarmos de funcionários, é do valor humano que a empresa tem que falamos. Não vejo um futuro para empresas que tratem o funcionário apenas como mais um funcionários, sem adotar alguma política que venha a traze-lo o sentimento de valorização. O investimento em bem-estar nunca esteve tão em alta – pelo menos aqui na região – e nunca se teve tanta atenção a doenças psicossomáticas relacionadas ao trabalho.

    Atualmente, eu tenho uma startup incubada, e nosso objetivo é desenvolver um produto que utilize cadeias de reforçamento e feedbacks recorrentes para motivar colaboradores e engajar eles aos objetivos da empresa. Talvez meu ponto de vista esteja muito ligado aos estudos que venho realizando para o desenvolvimento de nosso produto e o constante contato com a área de psicologia comportamental para o trabalho.

    Também não acredito que a sua observação esteja errada, pois, existem casos em que realmente não adianta, pois falta vontade de executar aquela função. Mas não é necessariamente a regra.

    Desculpe se não me expressei da melhor forma acima.

    Att,
    Rubia

    on Fevereiro 21, 2016.
    Comentar

      Olhando pelo ponto da Rubia, talvez seja interessante uma iniciativa para “reciclagem” de funcionários. Muitas empresas já possuem uma “massa” operacional grande e seria muito trabalhoso demitir e contratar novamente, além de empresas menores muitas vezes possuirem laços emocionais. E por fim, aainda existem profissionais que hoje não possuem o perfil mas que podem se interessar em ter.

      Mais do que filtrar os profissionais assim, acho que algo na pegada de “criar” esses profissionais, possa ser muito bacana.

      Especialista Respondido on Fevereiro 21, 2016

        Ao meu ver é um conjunto de fatores,como treinamento dado ao funcionário,benefícios e valores pessoais,funcionários satisfeitos tendem a trabalhar melhor.RH por aqui não é muito bom em selecionar,trabalhos de atendimento são vistos como trabalhos de pouca qualificação.O atendimento é vital para ter lucratividade em um negocio.

        Empreendedor Jr Respondido on Fevereiro 21, 2016

        Concordo que quem faz o lucro é o funcionário. Funcionário feliz e funcionário lucrativo…

        on Fevereiro 21, 2016.

        Isso mesmo  =)

        on Fevereiro 21, 2016.
        Comentar

          Olá Felipe,

          Concordo com o Wesley, é um conjunto de fatores.

          Outro ponto a ser mencionado, é a cultura em que temos de associar o trabalho a somente dinheiro. Como se o trabalho fosse um castigo. Essa é uma fórmula para que em um espaço de tempo, gere insatisfação e consequentemente perda de dedicação do funcionário. Se o funcionário está trabalhando somente pelo dinheiro, uma hora seu salário vai ser insuficiente. É importante a pessoa ter uma motivação para trabalhar na empresa fazendo o que gosta. Somos muito acostumados a usar o nosso “jeitinho” como solução para o problema.

          Ótimo post Felipe, meus parabéns.

          Empreendedor Jr Respondido on Fevereiro 22, 2016

            Acredito que um grande problema nas empresas é este:
            1 – Apadrinhamento – Dar uma oportunidade *financeira* para uma pessoa conhecida ou indicada que está único e exclusivamente esperando seu salário no final do mês. Ela não esta linkacada com os objetivos da empresa e pra ela tanto faz se a organização está em um bom ou mau momento no mercado.

            Empreendedor Jr Respondido on Março 31, 2016

            Sua resposta

            Ao responder você afirma que concorda com nossa politica de privacidade e termos de uso.