MVP: Combinar ou não combinar o ON e o OFF lines. Eis a questão!

    Olá, Membros do Comunidade! Assistindo a um dos episódios do “Man In The Arena” , me identifiquei (um verdadeiro match!) com a sugestão  da Bel Pesce a respeito do online e o offline caminharem juntos na “cultura da experimentaçao”. Pra mim, NADA substitui o tato e sou extremamente a favor das pesquisas em campo (e não ficar somente em landing pages, split tests, formulários de conversão, etc). Meu ramo é educação e, na maioria dos casos, não abandono o olho no olho do aluno por nenhuma ferramenta web, respeitadas, obviamente, as situações e proporções. Mas vejo INÚMERAS empresas com formatos de MVP 100% onlines e não só no ramo de software. Gostaria de propor uma discussão a esse respeito e dividir as impressões e experiências. Obrigado.

    Empreendedor Lançado on janeiro 12, 2016 por MVP.
    Comentar
    2 Respostas

      Eu fiquei curioso sobre empresas que não são “digitais” com MVPs 100% online, poderia dar um exemplo?

      Especialista Respondido on janeiro 12, 2016

      Olá, João. Creio ter me expressado mal. Referi-me a empresas digitais, mas que não atuam no ramo de softwares, e sim em outros ramos. Ainda assim, dependendo do caso, não acredito em MVP 100% online para estas empresas. Um exemplo clássico: empresas de curso online no ramo de educação que fazem seus testes somente online a respeito de um produto a ser lançado, sem ter ido a campo conversar com grupos de interesse “cara a cara”. E não me refiro a focus group, mas sim, acredito que esse tipo de ação é muito importante para o customer development.

      on janeiro 12, 2016.

      Entendo, então seria o caso de desenvolver um MVP sem ter realizado uma pesquisa de mercado “cara a cara”? Se for isso é realmente um erro muito sério, independente da empresa.

      on janeiro 12, 2016.

      Sim, também creio nisso. E é disso que eu tento convencer meus parceiros na startup que recém criamos. Não são muito a favor desse “cara a cara”.

      on janeiro 12, 2016.

      Bem, indepentende de qual seja o produto é essencial uma conversa cara a cara com o úsuario, para poder entender melhor o que eles querem de verdade.

      Conversar sobre os problemas da pessoa, ajuda não só a melhor definir o perfil dos clientes, como a preparar uma boa pesquisa extensiva (formularios e afins).

      Vou deixar alguns links bem legais sobre o assunto.

      https://soundcloud.com/jo-o-vitor-chaves-silva/montaincast-7-pesquisa-de-mercado-pt1-ceds
      https://soundcloud.com/jo-o-vitor-chaves-silva/montaincast-8-pesquisa-de-mercado-pt2-ceds
      https://www.youtube.com/watch?v=mz0eBTWIP0g

      on janeiro 12, 2016.

      Obrigado, João. Muito bons os podcasts. E foi muito bom ver até mesmo como o MIT desenvolve pesquisas. O velho e bom “cara a cara”.

      on janeiro 13, 2016.
      Comentar

        O online e offline andam juntos, já que um não existe sem o outro…Por exemplo, uma aula online pode ter mais interação entre professor x aluno do que uma aula offline…Dependendo de como é utilizado pode aproximar mais do que distanciar…

        Mentor Respondido on janeiro 30, 2016

        Sua resposta

        Ao responder você afirma que concorda com nossa politica de privacidade e termos de uso.